Cátia Rodrigues

Porque é que tantas pessoas muito acima do peso escolhem punir-se com tratamentos dolorosos?

A FDA acaba de aprovar o AspireAssist para tratamento da obesidade, uma bomba que drena o conteúdo do estômago por um tubo na barriga. Uma espécie de bulimia medicamente assistida.

Talvez isto seja uma conquista para a medicina e para quem sofre de obesidade, mas como profissional que trabalha na área do emagrecimento, achei isto simplesmente horrível e tenho pena que haja pessoas que vão recorrer a algo tão invasivo e doloroso…
Conheço muitas pessoas obesas, elas partilham muita coisa comigo, sem filtrar e o que tinham em comum eram problemas emocionais associados ao aumento de peso. Então dou comigo a pensar: porque é que tantas pessoas obesas procuram tratamentos que basicamente as mutilam e são dolorosos e invasivos para o seu corpo? :/

Consigo compreender o desespero e impotência que possam sentir para perder muito peso. Mas o cerne da obesidade, muitas vezes, está mais na mente e nas emoções desequilibradas e por tratar, do que em tratamentos dolorosos, que quase servem mais de punição física do que outra coisa. Como se uma pessoa achasse que merecesse esse sofrimento para emagrecer. Muitas vezes dou por mim a pensar que talvez as pessoas procurem tratamentos dolorosas porque de alguma forma não gostam de si mesmas e acham, inconscientemente, que merecem ser punidas por alguma razão que as levou a serem obesas, alguma razão que muitas vezes elas até desconhecem, porque é inconsciente e não têm acesso a ela.

Existem dois grandes problemas dos tratamentos dolorosos, invasivos, de choque, de cortar e coser:

  • A pessoa que é tratada não participa ativamente no seu processo de cura/emagrecimento. Ela não vai aprender rigorosamente nada durante esse processo. Pode sofrer – muito – pode mutilar-se, mas a não ser que haja uma equipa multi-disciplinar a cuidar dela e a ensiná-la, ela vai manter os mesmos hábitos de alimentação e estilo de vida que a levaram ao estado de desespero que a levou a procurar medidas tão drásticas como a colocação de uma banda gástrica ou, agora, o Aspire Assist.
  • Este tipo de tratamentos, tal como a banda gástrica, são todos feitos no plano físico e é no corpo que pagam também, com dor e sofrimento, em vez de curarem as emoções e a alma, que são a origem de tudo… e de trabalharem no sentido de aprenderem a mudar alguns aspetos do seu dia-a-dia, para se sentirem bem enquanto perdem peso.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.